Nódulo no Fígado: conheça os diferentes tipos

dr_quelson_coelho_nodulo_no_figado
78 / 100

A avaliação de um nódulo no fígado (ou nódulo hepático) detectado com ultrassom inclui a obtenção de um historial médico detalhado, um exame físico, exames de imagem de contraste apropriados e, em casos seleccionados, biópsia.

Neste contexto, a identificação da doença hepática que acompanha um nódulo no fígado ajuda a distinguir entre nódulos benignos e nódulos malignos metastáticos do câncer primário do fígado, tal como recomendado pelas sociedades científicas do fígado.

Os algoritmos de diagnóstico de um nódulo no fígado em doentes com doença hepática envolvem tomografia de contraste, ressonância magnética ou ultrassons com contraste para mostrar o padrão neoplásico típico.

O diagnóstico diferencial deve ser obtido para diferenciar nódulos relacionados com o fígado como macronódulos regenerativos (mais de 20% dos casos) e o colangiocarcinoma intra-hepático menos frequente (~2% dos casos) de nódulos não relacionados com doenças hepáticas como o hemangioma (~4%), nódulos neuroendócrinos metastásicos e hiperplasia nodular focal.

Em doentes sem doença hepática, os nódulo no fígado mais comuns é o hemangioma (~1,5%), a hiperplasia nodular focal (0,03%) e o adenoma hepatocelular (até 0,004% em utilizadores de contraceptivos orais a longo prazo).

A otimização do tratamento de pacientes com um nódulo no fígado requer o estabelecimento de uma clínica multidisciplinar.

Explore esta seção para saber mais sobre os diferentes tipos de nódulo no fígado (nódulos hepáticos) e as circunstâncias em que o tratamento pode ser necessário.

O QUE É UM NÓDULO?

Um nódulo é um crescimento anormal de células ou tecidos. Alguns nódulos são malignos (cancerosos). A maioria dos nódulos no fígado são benignos (não cancerosos).

Nódulo no fígado não canceroso (ou benigno) é comum. Eles não se espalham para outras áreas do corpo, e eles geralmente não representam um risco grave para a saúde.

COMO É DESCOBERTOS O NÓDULO NO FÍGADO BENIGNOS?

Na maioria dos casos, o nódulo no fígado benignos não são descobertos porque não causam sintomas. Quando eles são detectados, geralmente é porque foi realizado um exame de imagem, como ultrassom, tomografia ou ressonância magnética, para uma outra condição e o nódulo foi visualizado por acaso.

QUAL EXAME PARA NÓDULO NO FÍGADO?

A etiologia da maioria das lesões hepáticas será determinada a partir de imagens com contraste, geralmente por tomografia computorizada (TC) ou por ressonância magnética (RM).

As lesões malignas metastáticas são geralmente múltiplas, e a imagem pode detectar um tumor primário no abdômen; se um tumor primário conhecido não for visto ou conhecido, a biopsia de uma lesão hepática com a ajuda da imagiologia-guia é geralmente possível para o diagnóstico histológico para determinar o cancro primário.

No entanto, o carcinoma hepatocelular pode frequentemente ser diagnosticado por características de imagem e geralmente não requer confirmação de biopsia.

Quanto aos estudos laboratoriais, as transaminases hepáticas, a fosfatase alcalina e os níveis de bilirrubina não são necessariamente úteis para determinar uma etiologia para o nódulo no fígado.

A alfa-fetoproteína pode ser elevada em doentes com carcinoma hepatocelular. Estão disponíveis testes serológicos para Echinococcus e Entamoeba histolytica, e ambas as entidades podem estar associadas à leucocitose com ou sem eosinofilia.

Para diagnosticar Adenoma hepático ou a Hiperplasia Nodular Focal, não há testes laboratoriais específicos disponíveis e a biopsia não é recomendada devido ao risco de hemorragia.

QUAIS SÃO OS TIPOS DE NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS?

Os três tipos mais comuns de nódulos hepáticos benignos são chamados:

  • Hemangioma
  • Hiperplasia nodular focal
  • Adenoma hepatocelular

HEMANGIOMA

Hemangiomas são as mais comuns de todas os nódulos no fígados. Eles são mais prevalentes em mulheres e podem ser afetados por mudanças hormonais. O diagnóstico destas lesões é geralmente feito radiologicamente com ultrassom. Raramente o seu médico pode solicitar a realização de uma ressonância magnética para confirmação do diagnóstico.

Na grande maioria dos casos, os hemangiomas não causam nenhum sintoma. Não há risco de transformação do hemangioma em câncer, portanto, não é necessário fazer acompanhamento da lesão.

Não é necessário nenhum tratamento específico para os hemangiomas, independentemente do seu tamanho. A retirada cirúrgica pode ser indicada se o hemangioma causar dor ou sangramento (hemangiomas grandes).

Recomendaçoes para Hemangiomas Hepáticos:

  • Um achado de nódulo(s) hepático(s) consistente com hemangioma no ultra-som deve ser confirmado por TC ou ressonância magnética contrastada.
  • Nos centros hepatobiliares de excelência onde existe uma certeza absoluta de qualidade técnica e competência profissional, a confirmação radiológica do hemangioma pode ser desnecessária, desde que o doente não tenha fatores de risco conhecidos.
  • Uma vez estabelecido o diagnóstico de forma conclusiva, não há necessidade de acompanhamento sistemático de pacientes assintomáticos com pequenos nódulos.
  • Recomenda-se o acompanhamento anual ou bienal por ultra-sons para pacientes com hemangiomas de tamanho >5 cm.
  • Os doentes com hemangioma devem ser informados da natureza benigna do seu tumor e que este pode muito raramente aumentar ou desenvolver complicações, mas não tem qualquer potencial de transformação maligna.
  • No caso de complicações raras como ruptura (espontânea ou traumática) ou coagulopatia tuberculosa (síndrome de Kasabach-Merritt), é necessário um tratamento cirúrgico.
  • Os pacientes com hemangiomas gigantes sintomáticos ou aqueles que apresentam compressão de estruturas adjacentes devem ser encaminhados para um centro hepatobiliar para avaliação das opções de tratamento cirúrgico ou não cirúrgico, tais como enucleação, ressecção hepática, embolização arterial, ou ablação por radiofrequência, cuja eficácia permanece por confirmar.
  • O uso de pílulas contraceptivas orais (ACO) ou outras terapias hormonais não está contra-indicado em doentes com hemangiomas.

HIPERPLASIA NODULAR FOCAL

A Hiperplasia Nodular Focal (HNF) é o segundo nódulo no fígado mais comum. Exames de sangue geralmente são normalmente normais e o diagnóstico é feito com ultrassom, tomografia ou ressonância magnética. Raramente, em caso de dúvida, uma biópsia pode ser necessária.

Geralmente a HNF não causa sintomas e não se transforma em câncer. Não é recomendado, portanto, o acompanhamento radiológico da HNF.

Não esta indicado nenhum tratamento específico para a HNF. A ressecção cirúrgica é indicada apenas quando há dúvida sobre o diagnóstico ou em raros casos em que causar dor.

Recomendações para Hiperplasia Nodular Focal:

  • A modalidade de imagem de escolha para casos suspeitos de adenoma hepatocelular é a ressonância magnética, que também pode definir o subtipo de doença.
  • A biopsia hepática percutânea deve ser reservada para os casos de incerteza diagnóstica em que a definição de gestão depende dos resultados da biopsia.
  • Os ACO ou esteróides androgénicos anabolizantes devem ser descontinuados se estiverem a ser utilizados.
  • A ressecção cirúrgica é indicada em mulheres em idade fértil com lesões ≥5 cm e em homens, independentemente do tamanho da lesão.
  • Como a gestação pode levar ao crescimento de adenomas hepatocelulares, a ressecção deve ser oferecida a mulheres com grandes nódulos (mesmo que <5 cm) que desejem engravidar.
  • Se a intervenção cirúrgica não for indicada, a progressão dos adenomas hepatocelulares deve ser monitorizada através de imagens de acompanhamento a cada 6 meses.

ADENOMAS

Os adenomas são uma entidade rara dentre os nódulos no fígado e têm uma forte associação com o uso de contraceptivos orais. O diagnóstico destas lesões é feito por uma combinação de exames radiográficos e às vezes por biópsia.

Geralmente os adenomas não causam sintomas. Adenomas maiores (maior que 5cm) podem apresentar desconforto abdominal ou sensação de plenitude. Lesões maiores que 5cm também têm risco de sangramento e têm potencial para se tornarem cancerosas.

Em adenomas menores o tratamento consiste em parar o uso da anticoncepcionais orais e fazer um acompanhamento radiográfico. A ressecção cirúrgica pode ser indicada em homens, em lesões que estão crescendo ou em adenomas que já são maiores do que 5cm.

Recomendações para Adenomas Hepáticos:

  • A modalidade de imagem de escolha para casos suspeitos de adenoma hepatocelular é a ressonância magnética, que também pode definir o subtipo de doença.
  • A biopsia hepática percutânea deve ser reservada para os casos de incerteza diagnóstica em que a definição de gestão depende dos resultados da biopsia.
  • Os ACO ou esteróides androgénicos anabolizantes devem ser descontinuados se estiverem a ser utilizados.
  • A ressecção cirúrgica é indicada em mulheres em idade fértil com lesões ≥5 cm e em homens, independentemente do tamanho da lesão.
  • Como a gestação pode levar ao crescimento de adenomas hepatocelulares, a ressecção deve ser oferecida a mulheres com grandes nódulos (mesmo que <5 cm) que desejem engravidar.
  • Se a intervenção cirúrgica não for indicada, a progressão dos adenomas hepatocelulares deve ser monitorizada através de imagens de acompanhamento a cada 6 meses.

Leia também:

Gordura no Fígado: diagnóstico e tratamento

Gastrite: sintomas, causas e tratamentos

Quando procurar um gastroenterologista

7 formas de prevenir o câncer gástrico

Câncer de Pâncreas: Tire todas as suas dúvidas sobre ele

Fonte: [1] EASL Clinical Practice Guidelines on the management of benign liver …

Artigos Recentes

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *