Cirrose

Cirrose: sintomas, causas e tratamentos

[vc_row][vc_column][vc_column_text]

Cirrose: você já ouviu falar dela? Essa doença é resultado de agressões no fígado que provocam a substituição do tecido normal do órgão por um tecido fibroso e com nódulos.

 

Trata-se de uma espécie de cicatrização do fígado, que afeta as células saudáveis e prejudicam diretamente o funcionamento hepático.

Nenhum órgão do corpo realiza uma variedade maior de trabalhos essenciais do que o Fígado. Ele:

  • Produz proteínas essenciais que ajudam o sangue a coagular
  • Remove ou neutraliza venenos, drogas e álcool
  • Fabrica bile que ajuda o corpo a absorver gorduras e colesterol
  • Ajuda a manter os níveis normais de açúcar no sangue
  • Regula vários hormônios

 

A cirrose é uma doença em que as células normais do fígado são substituídas por tecido cicatricial, o que interfere com todas essas funções importantes. Em casos extremos, o dano é tão grave que a única solução é um transplante de fígado.

A cirrose é normalmente associada a fatores de risco como o consumo excessivo de álcool, sobrepeso e doenças como hepatite B e C.

Em quadros de cirrose, o fígado deixa de realizar tarefas essenciais para o organismo, incluindo o processamento de nutrientes, a produção de bile e a fabricação de proteínas primordiais para o corpo. Esse é o grande perigo da doença!

Quer conhecer os sintomas, causas e tratamentos possíveis para a cirrose? Veja só!

 

Sintomas da cirrose

A cirrose pode se manter silenciosa por anos. No início da doença, ela realmente não dá sinais.

Mas como as células do fígado morrem, o órgão produz menos proteínas que regulam a retenção de líquidos e a coagulação do sangue e perde sua capacidade de metabolizar o pigmento bilirrubina. Isso causa sintomas e complicações que incluem:

  • Fadiga
  • Perda de apetite
  • Náuseas
  • Fraqueza
  • Perda de peso
  • Acúmulo de líquido nas pernas (edema) e abdômen (ascite)
  • Aumento do sangramento e dos hematomas
  • Icterícia, um amarelecimento da pele e dos olhos
  • Coceira
  • Confusão mental

Como o dano aumenta, o fígado não consegue desintoxicar o sangue e torna-se menos capaz de metabolizar muitos medicamentos, o que aumenta os seus efeitos. Eventualmente, as toxinas se acumulam no cérebro.

Essas mudanças podem produzir:

  • Aumento da sensibilidade às drogas
  • Mudanças de personalidade e comportamento, incluindo confusão, negligência da aparência, esquecimento, dificuldade de concentração e mudanças nos hábitos de sono
  • Perda de consciência
  • Coma

A cicatrização também impede o fluxo sanguíneo e aumenta a pressão na veia porta, que move o sangue do estômago para o fígado. Esta condição é chamada de hipertensão portal. Os vasos sanguíneos no estômago e esôfago incham, e o corpo cria novos vasos sanguíneos na tentativa de contornar o fígado. Estes vasos, chamados varizes, têm paredes finas. Se estourar, a hemorragia resultante (hemorragia digestiva) pode causar a morte dentro de horas se não for tratada.

 

Como fazer o diagnóstico de cirrose?

O seu médico irá perguntar sobre a sua história clínica, história familiar de doença hepática, dieta, consumo de álcool, medicamentos que está tomando, e fatores de risco para hepatite B e C, como o uso de drogas intravenosas. Durante um exame físico, o médico determina se o fígado está mais duro ou maior do que o normal, procura alterações na pele, como hematomas e icterícia, e procura evidências de inchaço nas pernas ou abdômen.

Exames de sangue podem ser pedidos para procurar evidências de inflamação hepática, níveis elevados de bilirrubina, acúmulo de toxinas (como amônia) e níveis reduzidos de substâncias essenciais feitas pelo fígado.

Dois dos exames de sangue que indicam um prognóstico ruim em pessoas com cirrose são um baixo nível de albumina e um alto RNI (Pró-Tempo ajustado). A RNI alta indica que o fígado da pessoa não consegue produzir a quantidade normal de proteínas de coagulação.

O fígado pode ser visto por ultrassom, tomografia computadorizada (TC) ou outra técnica de imagem.

A cirrose pode geralmente ser diagnosticada com base no histórico, exame físico, resultados de exames de sangue e imagens. Às vezes, é necessária uma biópsia hepática. Uma pequena amostra de tecido hepático é removida com uma agulha e, em seguida, examinada para detectar cicatrizes e danos às células.

 

Causas do problema

Como já mencionei, a cirrose pode ser causada pelo consumo abusivo de álcool, sobrepeso, obesidade e hepatites. Além desses fatores, a predisposição genética, diabetes, uso excessivo de medicamentos e idade acima dos 40 anos pode aumentar a propensão ao desenvolvimento da doença.

Entre essas causas e fatores de risco, o alcoolismo pode ser considerado como a principal ameaça para a saúde do fígado, pois, esse órgão é responsável por metabolizar o álcool e, se ele é exposto a doses muito elevadas da substância, há grandes chances dos tecidos hepáticos sofrerem sérios danos.

A cirrose alcoólica tende a desenvolver-se após uma década ou mais de consumo excessivo de álcool, embora seja possível que os “bebedores sociais” tenham cirrose. Não se sabe por que algumas pessoas são mais propensas a reações adversas do que outras. Mas as mulheres correm maior risco de cirrose, mesmo quando bebem menos álcool do que os homens.

A hepatite B crônica, que causa danos de forma semelhante ao álcool, é outra causa comum de cirrose no mundo. Mas é menos comum em países industrializados por causa da vacinação de rotina contra a hepatite B.

A hepatite crônica C também causa inflamação do fígado que pode levar à cirrose. Sem tratamento, cerca de uma em cada cinco pessoas com hepatite C crônica desenvolve cirrose após 20 anos.

Mais recentemente, a doença hepática gordurosa não alcoólica tornou-se uma causa mais comum de cirrose. Os médicos chamam-lhe esteato-hepatite não alcoólica (EHNA) ou Esteatose Hepática ou simplesmente Gordura no Fígado. A deposição de gordura no fígado leva à inflamação, que pode evoluir para cicatrizes.

 

Causas mais raras de cirrose incluem:

  • Doenças autoimunes que atacam os canais biliares ou células hepáticas
  • Reações severas a medicamentos prescritos
  • Exposição prolongada a toxinas ambientais
  • Infecções por bactérias e parasitas geralmente encontradas nas regiões tropicais ou na Ásia
  • Episódios repetidos de insuficiência cardíaca com congestão hepática.
  • Certas doenças hereditárias, incluindo:
  • Hemocromatose, na qual se acumula demasiado ferro no fígado e em outros órgãos.
  • Doença de Wilson, que produz concentrações anormais de cobre
  • Deficiência de alfa-1-antitripsina, que é a ausência de uma enzima específica no fígado

 

Tratamentos para a cirrose

O tratamento da cirrose varia de acordo com a causa e a fase da doença. Como os danos hepáticos geralmente não podem ser revertidos, o objetivo de todo o tratamento é evitar que a doença se agrave e reduzir as complicações.

Independentemente da causa, qualquer pessoa com cirrose deve abster-se de álcool e ter cuidado ao tomar medicamentos que podem piorar a doença hepática.

O paciente também será tratado para doenças subjacentes – por exemplo, medicamentos antivirais para hepatite B ou C crônica, corticosteroides ou outros medicamentos imunossupressores para hepatite auto-imune e flebotomia, que é a remoção periódica de um litro de sangue – para reduzir os níveis de ferro na hemocromatose.

Grande parte do tratamento é direcionado a complicações.

O médico pode recomendar uma dieta pobre em sódio e diuréticos se você estiver retendo o excesso de fluido em seu corpo

Lactulose ou outros medicamentos serão prescritos se você tiver confusão causada por encefalopatia hepática. Lactulose é um laxante que diminui a absorção de certas substâncias tóxicas para o cérebro.

Medicamentos podem ser prescritos para prurido e infecções.

Os medicamentos para a tensão arterial podem ajudar a baixar a pressão nas veias porta para diminuir o risco de hemorragia interna.

Varizes hemorrágicas representam um perigo imediato e fatal. Para evitar que elas sangram, os médicos podem fazer endoscopia para encontrar as varizes e tratá-los. As varizes podem ser injetadas com uma solução para encolhê-las ou podem ser seladas com bandas. O mesmo procedimento é feito quando as varizes estão sangrando ativamente. Drogas intravenosas e orais também são administradas para reduzir o sangramento.

A pessoa também pode precisar de um procedimento chamado shunt intra-hepático intra-hepático porto-sistêmico (TIPS). Isto envolve a criação de um novo canal sanguíneo no fígado que alivia parte da pressão alta portal. Com menos pressão portal, há menos abaulamento das varizes. E novas varizes são menos propensas a se formar.

Se a função hepática fica muito prejudicada por cirrose, um transplante é o único tratamento. Aproximadamente 80% a 90% dos pacientes sobrevivem ao transplante hepático, e as taxas de sobrevivência a longo prazo melhoraram por causa de drogas que suprimem o sistema imunológico para mantê-lo de atacar o novo fígado.

A cirrose é grave e seu tratamento é complexo, mas a boa notícia é que é possível prevenir o surgimento dessa doença hepática, através da adoção de um estilo de vida saudável.

 

Como previnir a cirrose

O passo mais importante que pode dar para prevenir a cirrose é evitar beber em excesso. É melhor consumir uma média de não mais de duas bebidas alcoólicas por dia para os homens ou uma bebida por dia para as mulheres. Se tiver hepatite crónica ou outros problemas hepáticos, evite completamente o álcool.

Algumas outras causas de cirrose podem ser evitadas.

Para evitar infecção com hepatite B e C, não injete drogas ilegais, não cheire cocaína ou faça sexo desprotegido, especialmente com múltiplos parceiros.

Se estiver pensando em colocar piercings ou fazer tatuagens corporais, certifique-se de que o equipamento está devidamente limpo.

Os profissionais de saúde e de emergência devem seguir cuidadosamente as precauções de controle de infecção sempre que forem expostos a sangue.

Hepatite B também pode ser prevenida com uma vacina, uma série de três vacinas que é 90% eficaz.

Ao prevenir a Gordura no Fígado, você evita o pequeno risco de desenvolver cirrose. Isto significa manter um peso saudável e fazer muito exercício.

 

Prognóstico da cirrose

O tratamento leva à melhora na maioria dos casos quando a doença é descoberta em seus estágios iniciais. A maioria dos pacientes é capaz de viver uma vida normal por muitos anos.

A perspectiva é menos favorável se a lesão hepática for extensa ou se alguém com cirrose não parar de beber. Pessoas com cirrose geralmente morrem de sangramento que não pode ser interrompido, infecções graves ou insuficiência renal.

Muitas vezes entram em coma irreversível nos seus últimos dias.

 

Quer saber mais sobre cirrose? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter. Ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como gastroenterologista em Belo Horizonte!

 

Leia também:

Queimação no estômago: o que é e como tratar

Gordura no Fígado: diagnóstico e tratamento

Fígado Gorduroso: e agora?

Omeprazol: protetor gástrico?

Saiba mais sobre o câncer de cólon!

Problema estomacal: o que pode ser?

Omeprazol causa demência?

Câncer de estômago: sintomas, causas e tratamentos

Problemas no fígado: 7 sintomas de que algo não vai bem

Gastrite: o que evitar?

 

 

Fonte: www.health.harvard.edu/breast-health-and-disease/cirrhosis

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: