Cirrose: sintomas, causas e tratamentos

cirrose-drquelsoncoelho
87 / 100

Cirrose: você já ouviu falar dela? Essa doença é resultado de agressões no fígado que provocam a substituição do tecido normal do órgão por um tecido fibroso e com nódulos.

Trata-se de uma espécie de cicatrização do fígado, que afeta as células saudáveis e prejudicam diretamente o funcionamento hepático.

Nenhum órgão do corpo realiza uma variedade maior de trabalhos essenciais do que o Fígado. Ele:

  • Produz proteínas essenciais que ajudam o sangue a coagular
  • Remove ou neutraliza venenos, drogas e álcool
  • Fabrica bile que ajuda o corpo a absorver gorduras e colesterol
  • Ajuda a manter os níveis normais de açúcar no sangue
  • Regula vários hormônios

A cirrose é uma doença em que as células normais do fígado são substituídas por tecido cicatricial, o que interfere com todas essas funções importantes. Em casos extremos, o dano é tão grave que a única solução é um transplante de fígado.

A cirrose é normalmente associada a fatores de risco como o consumo excessivo de álcool, sobrepeso e doenças como hepatite B e C.

Em quadros de cirrose, o fígado deixa de realizar tarefas essenciais para o organismo, incluindo o processamento de nutrientes, a produção de bile e a fabricação de proteínas primordiais para o corpo. Esse é o grande perigo da doença!

Quer conhecer os sintomas, causas e tratamentos possíveis para a cirrose? Veja só!

Quais os sintomas da cirrose?

A cirrose pode se manter silenciosa por anos. No início da doença, ela realmente não dá sinais.

Mas como as células do fígado morrem, o órgão produz menos proteínas que regulam a retenção de líquidos e a coagulação do sangue e perde sua capacidade de metabolizar o pigmento bilirrubina. Isso causa sintomas e complicações que incluem:

  • Fadiga
  • Perda de apetite
  • Náuseas
  • Fraqueza
  • Perda de peso
  • Acúmulo de líquido nas pernas (edema) e abdômen (ascite)
  • Aumento do sangramento e dos hematomas
  • Icterícia, um amarelecimento da pele e dos olhos
  • Coceira
  • Confusão mental

Como o dano aumenta, o fígado não consegue desintoxicar o sangue e torna-se menos capaz de metabolizar muitos medicamentos, o que aumenta os seus efeitos. Eventualmente, as toxinas se acumulam no cérebro.

Essas mudanças podem produzir:

  • Aumento da sensibilidade às drogas
  • Mudanças de personalidade e comportamento, incluindo confusão, negligência da aparência, esquecimento, dificuldade de concentração e mudanças nos hábitos de sono
  • Perda de consciência
  • Coma

A cicatrização também impede o fluxo sanguíneo e aumenta a pressão na veia porta, que move o sangue do estômago para o fígado. Esta condição é chamada de hipertensão portal.

Os vasos sanguíneos no estômago e esôfago incham, e o corpo cria novos vasos sanguíneos na tentativa de contornar o fígado. Estes vasos, chamados varizes, têm paredes finas.

Se estourar, a hemorragia resultante (hemorragia digestiva) pode causar a morte dentro de horas se não for tratada. Veja mais detalhes a seguir:

O que a cirrose pode causar?

Como o fígado funciona menos, complicações podem se desenvolver. Em algumas pessoas, complicações podem ser os primeiros sinais da doença. As complicações são descritas a seguir e elas são as responsáveis pelos sintomas da cirrose:

Hipertensão portal:

A veia porta carrega sangue do estômago, intestinos, baço, vesícula biliar e pâncreas para o fígado.

Na cirrose, o tecido cicatricial bloqueia parcialmente o fluxo normal de sangue, o que aumenta a pressão na veia porta.

Esta condição é chamada hipertensão portal. A hipertensão portal é uma complicação comum da cirrose.

Esta condição pode levar a outras complicações, como:

Edema e ascite:

Insuficiência hepática causa acúmulo de líquido que resulta em edema e ascite.

A ascite é o acúmulo de líquido na barriga e ela é um dos sintomas da cirrose mais característico.

Ascite pode levar a peritonite bacteriana espontânea (PBE), uma infecção grave que requer atenção médica imediata.

Varizes de Esôfago:

A hipertensão portal pode causar aumento dos vasos sanguíneos no esôfago, no estômago ou em ambos.

Esses vasos sanguíneos aumentados, chamados varizes esofágicas ou gástricas, fazem com que as paredes dos vasos se tornem finas e a pressão sanguínea aumente, tornando os vasos sanguíneos mais propensos a explodir.

Se eles estourarem, hemorragias graves podem ocorrer no esôfago ou na parte superior do estômago, necessitando de atenção médica imediata.

A Endoscopia Digestiva Alta é o melhor exame para identificar e, às vezes, tratar as Varizes de Esôfago.

Esplenomegalia:

Hipertensão portal pode causar aumento do baço que passa a reter glóbulos brancos e plaquetas, reduzindo o número dessas células e plaquetas no sangue. A baixa contagem de plaquetas pode ser um dos primeiros sintomas da cirrose.

Encefalopatia hepática:

Um fígado falhando não pode remover as toxinas do sangue, então elas eventualmente se acumulam no cérebro.

O acúmulo de toxinas no cérebro é chamado de encefalopatia hepática.

Esta condição pode diminuir a função mental e causar confusão e até mesmo coma. Sinais de diminuição da função mental incluem:

  • Confusão

  • Mudanças de personalidade

  • Perda de memória

  • Dificuldade de concentração

  • Mudança nos hábitos do sono

Contusões e sangramento:

O fígado com cirrose diminui a produção ou deixa de produzir as proteínas necessárias para a coagulação do sangue.

Quando uma pessoa com cirrose se machucar ela pode sangrar facilmente.

Sensibilidade a medicamentos:

A cirrose diminui a capacidade do fígado de filtrar medicamentos do sangue.

Quando esta desaceleração ocorre, os medicamentos agem mais do que o esperado e se acumulam no corpo.

Por exemplo, alguns analgésicos podem ter um efeito mais forte ou produzir mais efeitos colaterais em pessoas com cirrose do que em pessoas com fígado saudável.

Resistência à insulina e diabetes tipo 2:

A cirrose causa resistência à insulina. O pâncreas tenta manter a demanda de insulina produzindo mais.

No entanto, a glicose extra acumula-se na corrente sanguínea, causando diabetes tipo 2.

Câncer de fígado:

O câncer de fígado é comum em pessoas com cirrose. O câncer de fígado tem uma alta taxa de mortalidade.

Os tratamentos atuais são limitados e somente bem sucedidos se um profissional de saúde detecta o câncer cedo, antes que o tumor seja muito grande. Por esta razão, os médicos devem verificar sinais de câncer de fígado em pessoas com cirrose a cada 6 a 12 meses.

Os médicos usam exames de sangue, ultrassom ou ambos para verificar sinais de câncer de fígado.

Outros sintomas da cirrose:

Cirrose pode causar disfunção do sistema imunológico, levando a uma maior chance de infecção.

A cirrose também pode causar insuficiência renal e pulmonar, conhecida como síndromes hepatorrenais e hepatopulmonares.

Como fazer o diagnóstico de cirrose?

O seu médico irá perguntar sobre a sua história clínica, história familiar de doença hepática, dieta, consumo de álcool, medicamentos que está tomando, e fatores de risco para hepatite B e C, como o uso de drogas intravenosas.

Durante um exame físico, o médico determina se o fígado está mais duro ou maior do que o normal, procura alterações na pele, como hematomas e icterícia, e procura evidências de inchaço nas pernas ou abdômen.

Exames de sangue podem ser pedidos para procurar evidências de inflamação hepática, níveis elevados de bilirrubina, acúmulo de toxinas (como amônia) e níveis reduzidos de substâncias essenciais feitas pelo fígado.

Dois dos exames de sangue que indicam um prognóstico ruim em pessoas com cirrose são um baixo nível de albumina e um alto RNI (Pró-Tempo ajustado). A RNI alta indica que o fígado da pessoa não consegue produzir a quantidade normal de proteínas de coagulação.

O fígado pode ser visto por ultrassom, tomografia computadorizada (TC) ou outra técnica de imagem.

A cirrose pode geralmente ser diagnosticada com base no histórico, exame físico, resultados de exames de sangue e imagens. Às vezes, é necessária uma biópsia hepática.

Uma pequena amostra de tecido hepático é removida com uma agulha e, em seguida, examinada para detectar cicatrizes e danos às células.

O que causa Cirrose?

A cirrose tem várias causas. Muitas pessoas com cirrose têm mais de uma causa de danos no fígado.

Embora a hepatite crônica C e a doença hepática relacionada ao álcool sejam as causas mais comuns de cirrose, a incidência de cirrose causada por doença hepática gordurosa não alcoólica está aumentando devido ao aumento das taxas de obesidade.

Causas mais comuns de cirrose:

Hepatite C crônica:

A hepatite C é uma infecção viral que causa inflamação, inchaço e danos ao fígado. Deste modo, a hepatite C causa Cirrose.

O vírus da hepatite C se propaga através do contato com sangue infectado, como um acidente com agulha, uso de drogas injetáveis ​​ou uma transfusão de sangue antes de 1992.

Menos comumente, a hepatite C pode ser transmitida por contato sexual com uma pessoa infectada ou no momento da parto de uma mãe infectada para o recém-nascido.

A hepatite C muitas vezes se torna crônica, com persistência a longo prazo da infecção viral. Hepatite crônica C provoca danos ao fígado que, ao longo de anos ou décadas, pode levar a cirrose.

Agora existem terapias avançadas para hepatite C crônica e os profissionais de saúde devem tratar pessoas com hepatite C crônica antes de desenvolver fibrose ou cirrose grave. Infelizmente, muitas pessoas descobrem que têm hepatite C crônica quando desenvolvem sintomas de cirrose.

Doença hepática relacionada ao álcool:

O alcoolismo é a segunda causa mais comum de cirrose nos Estados Unidos. A maioria das pessoas que consomem álcool não sofre dano ao fígado.

No entanto, o uso excessivo de álcool ao longo de vários anos torna uma pessoa mais propensa a desenvolver doença hepática relacionada ao álcool.

A quantidade de álcool que leva para danificar o fígado varia de pessoa para pessoa.

Doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) e esteatohepatite não alcoólica (EHNA):

Na DHGNA, a gordura se acumula no fígado; no entanto, o acúmulo de gordura não é devido ao uso de álcool.

Quando a gordura é acompanhada de inflamação e dano às células hepáticas, a condição é chamada esteatohepatite não-alcoólica, ou EHNA  (“esteato” significa gordura e “hepatite” que significa inflamação do fígado). A inflamação pode causar fibrose e portanto, causa cirrose.

A gordura extra no fígado tem muitas causas e é mais comum em pessoas que:

– Estão com sobrepeso ou obesos.
– Têm diabetes – uma condição caracterizada por alto nível de glicose no sangue, também chamado de açúcar no sangue elevado.
– Têm colesterol alto no sangue e triglicérides, chamado hiperlipidemia.
– Têm pressão arterial elevada.

Esteatohepatite não-alcoólica é, hoje, a terceira causa mais comum de cirrose nos Estados Unidos.

Hepatite B crônica:

A hepatite B, como a hepatite C, é uma infecção viral que causa inflamação e danos ao fígado. Infecção crônica pode levar a inflamação, fibrose e também causa cirrose.

O vírus da hepatite B se propaga através do contato com sangue infectado, como por acidente com seringa, uso de drogas injetáveis ​​ou transfusão de sangue antes de meados dos anos 80.

A hepatite B também se propaga através do contato sexual com uma pessoa infectada e de uma mãe infectada para a criança durante o parto.

Existe tratamento para a Hepatite B e os médicos devem tratar as pessoas com hepatite B crônica antes de desenvolver fibrose grave ou cirrose. Infelizmente, muitas pessoas descobrem que têm hepatite B crônica quando desenvolvem sintomas de cirrose.

A hepatite B também é uma doença evitável. Desde a década de 1980, uma vacina contra hepatite B está disponível e deve ser dada a recém-nascidos e crianças.

Os adultos com maior risco de contrair hepatite B também devem receber a vacina.

As causas menos comuns de cirrose incluem:

  • Hepatite auto-imune.

  • Colangite Biliar Primária

  • Colangite Esclerosante Primária

  • Episódios repetidos de insuficiência cardíaca com congestão hepática.
  • Síndrome de Alagille

  • Atresia Biliar

  • Doenças hereditárias que afetam o fígado (deficiência de alfa-1 antitripsina, hemocromatose, doença de Wilson, galactosemia e doenças de armazenamento de glicogênio)

Traumas no fígado ou outras causas agudas, de curto prazo, de danos não causam cirrose. Normalmente, anos de lesão crônica são necessários para causar cirrose.

Qual o tratamento da Cirrose?

O tratamento da cirrose varia de acordo com a causa e a fase da doença. Como os danos hepáticos geralmente não podem ser revertidos, o objetivo de todo o tratamento é evitar que a doença se agrave e reduzir as complicações.

Independentemente da causa, qualquer pessoa com cirrose deve abster-se de álcool e ter cuidado ao tomar medicamentos que podem piorar a doença hepática.

O paciente também será tratado para doenças subjacentes – por exemplo, medicamentos antivirais para hepatite B ou C crônica, corticosteroides ou outros medicamentos imunossupressores para hepatite auto-imune e flebotomia, que é a remoção periódica de um litro de sangue – para reduzir os níveis de ferro na hemocromatose.

Grande parte do tratamento é direcionado a complicações.

O médico pode recomendar uma dieta pobre em sódio e diuréticos se você estiver retendo o excesso de fluido em seu corpo

Lactulose ou outros medicamentos serão prescritos se você tiver confusão causada por encefalopatia hepática. Lactulose é um laxante que diminui a absorção de certas substâncias tóxicas para o cérebro.

Medicamentos podem ser prescritos para prurido e infecções.

Os medicamentos para a tensão arterial podem ajudar a baixar a pressão nas veias porta para diminuir o risco de hemorragia interna.

Varizes hemorrágicas representam um perigo imediato e fatal. Para evitar que elas sangram, os médicos podem fazer endoscopia para encontrar as varizes e tratá-los. As varizes podem ser injetadas com uma solução para encolhê-las ou podem ser seladas com bandas.

O mesmo procedimento é feito quando as varizes estão sangrando ativamente. Drogas intravenosas e orais também são administradas para reduzir o sangramento.

A pessoa também pode precisar de um procedimento chamado shunt intra-hepático intra-hepático porto-sistêmico (TIPS). Isto envolve a criação de um novo canal sanguíneo no fígado que alivia parte da pressão alta portal. Com menos pressão portal, há menos abaulamento das varizes. E novas varizes são menos propensas a se formar.

Se a função hepática fica muito prejudicada por cirrose, um transplante é o único tratamento. Aproximadamente 80% a 90% dos pacientes sobrevivem ao transplante hepático, e as taxas de sobrevivência a longo prazo melhoraram por causa de drogas que suprimem o sistema imunológico para mantê-lo de atacar o novo fígado.

A cirrose é grave e seu tratamento é complexo, mas a boa notícia é que é possível prevenir o surgimento dessa doença hepática, através da adoção de um estilo de vida saudável.

Como evitar a cirrose?

O passo mais importante que pode dar para prevenir a cirrose é evitar beber em excesso. É melhor consumir uma média de não mais de duas bebidas alcoólicas por dia para os homens ou uma bebida por dia para as mulheres. Se tiver hepatite crónica ou outros problemas hepáticos, evite completamente o álcool.

Algumas outras causas de cirrose podem ser evitadas.

Para evitar infecção com hepatite B e C, não injete drogas ilegais, não cheire cocaína ou faça sexo desprotegido, especialmente com múltiplos parceiros.

Se estiver pensando em colocar piercings ou fazer tatuagens corporais, certifique-se de que o equipamento está devidamente limpo.

Os profissionais de saúde e de emergência devem seguir cuidadosamente as precauções de controle de infecção sempre que forem expostos a sangue.

Hepatite B também pode ser prevenida com uma vacina, uma série de três vacinas que é 90% eficaz.

Ao prevenir a Gordura no Fígado, você evita o pequeno risco de desenvolver cirrose. Isto significa manter um peso saudável e fazer muito exercício.

Quem tem cirrose vive quantos anos?

O tratamento leva à melhora na maioria dos casos quando a doença é descoberta em seus estágios iniciais. A maioria dos pacientes é capaz de viver uma vida normal por muitos anos.

A perspectiva é menos favorável se a lesão hepática for extensa ou se alguém com cirrose não parar de beber. Pessoas com cirrose geralmente morrem de sangramento que não pode ser interrompido, infecções graves ou insuficiência renal.

Muitas vezes entram em coma irreversível nos seus últimos dias.

Quer saber mais sobre cirrose? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter. Ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como gastroenterologista em Belo Horizonte!

Leia também:

Queimação no estômago: o que é e como tratar

Gordura no Fígado: diagnóstico e tratamento

Fígado Gorduroso: e agora?

Omeprazol: protetor gástrico?

Saiba mais sobre o câncer de cólon!

Problema estomacal: o que pode ser?

Omeprazol causa demência?

Câncer de estômago: sintomas, causas e tratamentos

Problemas no fígado: 7 sintomas de que algo não vai bem

Gastrite: o que evitar?

Fonte: www.health.harvard.edu/breast-health-and-disease/cirrhosis

Artigos Recentes

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *